Montecristo é o nome de duas marcas de Charutos Premium, uma produzida em Cuba para a Habanos SA, a companhia de tabaco cubano estatal, e a outra produzida em La Romana, na República Dominicana para a franco-espanhola Altadis, SA.

Em Julho de 1935, Alonso Menéndez comprou a Fábrica de Charutos Particulares, onde se fabricavam os famosos Charutos Particulares e os menos conhecidos Charutos Byron, imediatamente após a sua aquisição, ele criou uma nova marca chamada Montecristo.

O nome da marca foi inspirado no romance de O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas, que supostamente seria um livro muito popular entre os enroladores de Charutos, para ser lido pelo leitor em voz alta, uma forma de entretinimento para tornar o trabalho mais agradavel. O agora famoso logótipo da Montecristo, que consiste em um triângulo de seis espadas em torno de uma flor-de-lis, foi desenhado por John Hunter Morris and Elkan Co. Ltd., distribuidor da marca britânica.

Em Julho de 1936, Menéndez fundou uma nova empresa com um sócio, alterando o nome da empresa de Charutos para Menéndez Garcia y Cia.. Com o crescente sucesso da marca Montecristo, a empresa comprou a fábrica H. Upmann de J. Frankau SA em 1937 e transferiu a produção dos Charutos Montecristo da Fábrica Particulares para a H. Upmann, que continuou a ser a casa da marca Montecristo, mesmo depois da Revolução.

J. Frankau continuou a ser o distribuidor exclusivo da marca H. Upmann no Reino Unido, enquanto John Hunter Morris e Elkan Co. Ltd. continuou a ser o único distribuidor de Montecristo na Grã-Bretanha. Em 1963, estas duas empresas se fundem para se tornar Hunters & Frankau, que hoje é o único importador e distribuidor de todos os Charutos cubanos no Reino Unido.

Vários livros incorrectamente afirmam que o nome original da marca de Charuto era H. Upmann Montecristo Selecção, mas o fato de que a marca foi fundada por Menéndez em 1935, e esta só adquiriu a H. Upmann em 1937, como tal, é uma informação incorrecta.

Através dos esforços da empresa Alfred Dunhill, a marca de Charutos Montecristo tornou-se extremamente popular em todo o mundo, nos dias de hoje, um em cada quatro Charutos fumados são da marca Montecristo, tornando-o o Charuto cubano mais populares do mundo. Depois da Revolução Cubana e da nacionalização da indústria de Charutos em Cuba, em 1961, García e Menéndez fugiram para as Ilhas Canárias, onde re-estabeleceu a marca, mas depois foram forçados a desistir devido a disputas de direitos autorais com a CUBATABACO. Em meados da década de 70, a fabricação foi transferida para La Romana, na República Dominicana e lançado dai para o mercado dos EUA, onde os direitos de Cuba para a marca não foram reconhecidos devido ao embargo. Menéndez García, y Cia é agora propriedade da Altadis SA, que controla a sua distribuição e comercialização nos Estados Unidos.

A formação original tinha apenas cinco tamanhos numeradas, com um Charuto entubado adicionados durante a década de 1940, a linha de Charutos manteve-se inalterada ate á data da nacionalização. Com Menendez e Garcia fora da empresa, no ano de 1959, um dos torcedores da classe superior, José Manuel Gonzalez foi promovido a gerente e começou a dar uma nova vida à marca. Na década de 1970 e 1980, cinco novos tamanhos foram adicionados: o A, o Nº Especial 1 e 2, o Joyita e o Tubo Petit. Três outras dimensões, o Montecristo Nº 6, Nº 7, e o B, foram adicionados, mas rapidamente retirados, embora o B possa ser encontrado em alguns anos mas sempre em produções muito pequenas.

Nos anos 1970 e 1980, a Montecristo continuou a aumentar a sua popularidade entre os fumantes de Charutos e começou a ganhar o estatuto que mantem hoje, como um dos Charutos mais vendidos em todo o mundo. O Charuto Montecristo Nº 4 é o Charuto mais popular no mercado mundial.

Em 2004, uma nova edição foi acrescentada a linha regular de Charutos, o Edmundo, um Charuto robusto de grande porte, o nome foi inspirado no grande herói de O Conde de Monte Cristo, Edmond Dantès.

Montecristo é uma das marcas mais escolhida para a Edição Especial lançada todos os anos pela Habanos, S.A., normalmente um Charuto mais escuro, enrolado em folhas vintage, existem inúmeras versões de edição limitada de Charutos Montecristo, em ocasiões especiais, aniversários, a festa anual da Habanos, S.A., etc…

Em 2007, um Charuto denominado de Edmundo Dantès Conde 109, foi lançada como uma serie regional da Habanos. Este Charuto usa uma mistura Montecristo e acredita-se ter um nome diferente devido a problemas de marca no México.

A nova linha, de corpo mais leve foi lancada no 11º Festival da Habanos, em Fevereiro de 2009. O nome previsto para a nova linha tinha sido Sport, mas por causa dos regulamentos da EU, que proíbem o marketing de tabaco relacionado com o imaginário desportivo, o nome foi mudado para Open, o nome desta vitola foi inspirado por desportos como o golfe e a vela .

A Montecristo também produz três cigarrilhas feitas á máquina, o Mini, o Clube, e os Purito.

Diz-se frequentemente por especialistas aficionados de Charutos que o Charuto Montecristo Nº 4 é o Charuto ideal para quem se esta a iniciar no mundo dos Charutos, e que Charuto Montecristo Nº2 é o Charuto padrão com que todos os outros devem ser comparados.