Os Charutos Cohibas cubanos são historicamente conhecidos por usarem alguns dos melhores tabacos disponíveis em Cuba. O tabaco para os Cohiba é seleccionado a partir dos Vegas Finas de Primera (campos de tabaco de primeira classe), em San Luis, San Juan e Martinez, zonas da região de Vuelta Abajo na província de Pinar del Río. O tabaco usado para preencher os charutos Cohiba é único entre as marcas cubanas, porque passa por uma terceira fermentação em barris, para ter um sabor mais suave que os outros charutos. Originalmente todos os Cohibas eram enrolados na fábrica El Laguito, uma antiga mansão nos arredores de Havana. Mais tarde, a produção de alguns Charutos Cohiba foi expandida para outras fábricas. O sabor destes charutos tende a médio e encorpado.

Depois de muitos anos de trabalho, a linha Behike de Charutos Cohiba foi finalmente lançada no mercado em meados de Abril de 2010. Considerado o segredo mais bem guardado da marca de charutos Cohiba, os Cohiba Behike serão produzidos a cada ano com o melhor tabaco cubano vindo de San Juan, Martínez e San Luis no interior de Vuelta Abajo, região DOP-Denominação de Origem Protegida, onde é produzido em quantidades muito limitadas e onde se situa também a muito prestigiada fábrica de charutos Cohiba El Laguito. A mistura para os charutos Cohiba Behike incorpora pela primeira vez o Medio Tiempo, uma folha que contribui para que os charutos tenham um carácter excepcional e um magnífico sabor. Também denominado Fortaleza 4, o Medio Tiempo é uma folha muito escassa proveniente das duas folhas superiores da planta do tabaco. No entanto, nem todas as plantações as produzem. A disponibilidade suficiente de Medio Tiempo para ser usado em produções regulares depende da dedicação, cuidado e atenção que é oferecida a cada plantação de tabaco e do crescimento de cada planta, há também a considerar as mudanças das condições climatéricas.

A história dos Charutos Cohiba começou com os charutos fumados por um guarda-costas de Fidel Castro chamado Bienvenido Perez. Castro observou que o seu guarda-costas fumava um tipo de charuto muito aromático e com um odor muito agradável. Quando Fidel perguntou sobre qual a marca de charutos que ele fumava, ele respondeu que eram enrolados por um amigo seu, mas que lhe traria alguns destes charutos especiais como presente.

O homem em questão era um operário, enrolador de charutos da fábrica de charutos La Corona em Havana, chamado Eduardo Rivera. Castro questionou Rivera sobre os seus magníficos charutos, e propôs-lhe começar a enrolar os tais charutos pessoalmente para ele. Colocou-o com outros cinco enroladores numa mansão antiga, diplomática, situada num subúrbio de Havana, conhecido como El Laguito. Mais tarde, a fábrica tornou-se a primeira fábrica de charutos a ser composto exclusivamente por mulheres enroladoras (enroladoras de charuto). Historicamente, a segurança da fábrica estava bem regulamentada, sendo que apenas era permitido aos funcionários designados e aos trabalhadores o acesso às áreas mais críticas de trabalho da fábrica.

Os charutos produzidos eram originalmente reservado para Castro e para alguns altos funcionários cubanos, muitas vezes eram também oferecidos como presente aos altos dignitários estrangeiros. Além disso, com os rumores e medos de uma tentativa de assassinato por parte da CIA, fazia sentido para Fidel Castro, fumar apenas os seus próprios charutos, que eram fabricados em condições de extrema segurança e sob um sigilo absoluto. A CIA tinha alegadamente, nos seus planos, os charutos como forma de assassinar Fidel Castro. Castro diz-se ser particularmente apreciador de charutos finos e laminados, especialmente nos tamanhos que se tornariam mais tarde as linhas Lancero e Corona Especial.

Castro decidiu lançar os seus charutos pessoais como uma marca Premium de charutos para consumo público, quando a Copa do Mundo em 1982 foi realizada na Espanha. Quando lançada em 1982 a marca Cohiba produzia três vitolas ou tamanhos, o Panetela, o Corona Especial e o Lancero. Em 1989 foram acrescentadas mais três, o Robusto, o Exquisito e o Espléndido, os seis são referidos como sendo a linha clássica dos Charutos Cohiba.

Em 1992, a Habanos SA, lançou os primeiros tamanho da Línea 1492, uma linha de Charutos Cohiba criada para comemorar os 500 anos da viagem de Cristóvão Colombo as Américas. A cada vitola deu o nome de um dos séculos desde a viagem de Colombo, o lançamento inicial incluiu o Siglo I, Siglo II, Siglo III, Siglo IV e o Siglo V. Em 2002 acrescentou há linha mais um tamanho, a que deu o nome de Siglo VI. Um boato de longa data é que a Línea 1492 era originalmente um substituto para a marca Davidoff, que recentemente cessou a produção em Cuba, cada um dos cinco Siglos correspondeu a um tamanho da linha Davidoff-up.

Além da produção regular, a Habanos SA lança regularmente edições limitadas de charutos Cohiba para eventos, como o Festival anual de Habanos e aniversários da marca. Produz ainda para as suas edições limitadas, alguns tamanhos especiais das suas várias marcas de charutos, enrolados numa folha vintage mais escura. Em 2007, a Habanos lançou uma nova linha de maduro Cohibas, chamado Maduro 5, em três vitolas.

A Cohiba também produz duas cigarrilhas enroladas á maquina, as Mini e as Club.

A Habanos SA também usa a sua marca Cohiba para produtos não relacionados com charutos, fabrica cigarros desde 1987 e conhaque desde 1999.

Até ao ano de 2006 a Cohiba tinha lançado três Edições Limitadas, a Pirâmide lançado em 2001 e relançado em 2006, o Double Corona em 2003 e o Sublime em 2004.